Claudio Valério Teixeira

H.Pereira da Silva

Publicado no Jornal do Comércio em 19 e 20 de novembro de 1978

 

O espírito contestatório da juventude encontra em Claudio Valério Teixeira numa das manifestações mais primorosas de que a excelência do desenho é como a linguagem literária exercida por um estilista – o seu representante máximo. Sim, porque nem sempre o contestador que se expressa em traços e linhas sem os recursos das tintas, possui a técnica que esse jovem artista alcança nos seus trabalhos. Claudio Valério Teixeira – se é que se pode defini-lo dentro das escolas após o esplendor e a decadência do academicismo impressionismo, expressionismo, primitivismo, surrealismo, cubismo, abstracionismo, etc. – é um hiperrealista vocacional. Mas seu desenho não expressa fidelidade a uma escola nem mesmo a atribuição, tão comum nos meios artísticos de que segue, neste aspecto, o que nos legou seu pai, o pintor Oswaldo Teixeira.